Jogos na Educação

Winnicott

"É a brincadeira que é universal e que é própria da saúde: o brincar facilita o crescimento e, portanto, a saúde; o brincar conduz aos relacionamentos grupais; o brincar pode ser uma forma de comunicação na psicoterapia; finalmente, a psicanálise foi desenvolvida como forma altamente especializada do brincar, a serviço da comunicação consigo mesmo e com os outros".

Através do jogo, a criança consegue ter acesso à realidade social, compreender como as regras são necessárias e como elas são construídas. Por outro lado, exatamente por esse "entendimento" do social que vai sendo construído, ela tem no jogo de regras um momento próprio de elaboração das suas próprias regras.
Compreender, aceitar, submeter seus desejos e impulsos, conviver com frustrações, controlar sua agressividade, perceber e considerar o outro é uma carga muito pesada para a criança. Essa oportunidade de discutir, de expressar suas necessidades, tem também um papel de distinção, de folga, de alívio da realidade social e cultural à qual ela está submetida.

Exercer sua individualidade através destes mecanismos é algo tão importante quanto compreender suas implicações coletivas.

Podemos dizer que no brincar, tanto o adulto quanto a criança estão plenamente libertos para a criação. E é através da criatividade, que o indivíduo torna-se pleno e sincronizado com a vida, dando o valor a esta, percebendo suas potencialidades, além da importância das trocas interindividuais. A palavra jogo pode ter uma gama de sentidos como: divertimento, distração, passatempo etc..

De qualquer forma sempre é usada tanto para atividades individuais ou grupais de crianças ou adultos, competições física ou mental, onde se ganha ou se perde, onde se seguem regras ou não.
"Os aspectos afetivos são determinantes na construção da personalidade do indivíduo e se revelam de forma explícita no jogo.

Através dos gestos realizados pelas crianças durante os jogos, se expressam suas intenções, extensões, contrações; todas as Tensões que se coordenam e/ou se descoordenam se tornam visíveis e perceptíveis para o indivíduo, para o grupo e para o professor".( Marcelo Jabu Barros da Silva)

Cognitivamente, podemos evidenciar a importância do BRINCAR e do JOGO, como o desenvolvimento da operatividade, a elaboração do pensamento lógico.

O ato de separar materiais segundo critérios estabelecidos, como por exemplo a textura, tamanho ou cor, faz com que as crianças trabalhem brincando com a classificação e seriação.

O brinquedo /sucata trata-se de um objeto construído artesanalmente, com diversos materiais. Surge da junção destes diversos materiais diversificados e, uma vez extraído do seu contexto original, se transforma.

Uma característica importante é o valor afetivo que a criança dá ao material com o qual trabalha. Os objetos construídos por ela são tratados com muita afeição, fato que pode ser observado com freqüência no cotidiano das aulas: por um certo período, antes de transformá-lo num objeto, a criança brinca com um determinado material, tendo com ele uma relação de afeto. Mas o processo não se encerra aí: a criança quer levá-lo para casa, continuar o jogo, o aconchego. Daí, inclusive, a dificuldade de se guardar alguns objetos para documentação.

SUCATA

A utilização da sucata nas brincadeiras ou jogos, tem sua importância a medida que envolve ampla pesquisa de materiais:

  • separar latas
  • embalagens
  • rótulos
  • rolhas
  • tampas
  • plásticos
  • retalhos de borracha
  • couro
  • pedaço de arame
  • retalhos de costura
  • sobras de madeira
  • sementes folhas conchas
  • pedras


Fayga Ostrower
"O homem cria não apenas porque quer ou porque gosta mas porque precisa; ele só pode crescer enquanto ser humano coerentemente, ordenando, dando formas, criando..." "A própria consciência nunca é algo acabado ou definitivo. Ela vai se formando no exercício de si mesma, num desenvolvimento dinâmico em que o ser humano procurando sobreviver e agindo transforma a natureza e se transforma também. E ele não somente percebe as transformações como sobretudo nelas se percebe..."

Jean Piaget

"O jogo é uma forma de atividade particularmente poderosa para estimular a vida social e a atividade construtiva da criança".

Descreve quatro estruturas básicas de jogos infantis, que vão se sucedendo e se sobrepondo nesta ordem:

  • Jogo de exercício
  • Jogo simbólico/dramático
  • Jogo de construção
  • Jogo de regras

A importância do jogo de regras, é quando aprendemos a lidar com a delimitação, no espaço, no tempo, no tipo de movimento válido, na utilização dos objetos e do corpo. É o que pode e o que não pode, é o que garante uma certa regularidade, portanto, organiza a ação (torna a ação orgânica).

Constance Kamii

Jogos em Grupo

Fala-nos do jogo segundo definição da Encyclopedia Americana:

"Nos jogos.....há atitudes prescritas, sujeitas a regras, geralmente penalidades para a desobediência das regras, e a ação se procede de forma evolutiva até culminar num clímax que geralmente consiste em uma vitória da habilidade, tempo ou força" descartando a competição referente a vitória.

O valor do conteúdo de um jogo deve ser considerado em relação ao estágio de desenvolvimento em que se encontra a criança, este estágio aqui se refere à maneira como a criança obtém conhecimento e raciocina.

Um bom jogo não é aquele que necessariamente a criança pode dominar "corretamente". O importante é que a criança possa jogar de maneira lógica e desafiadora para si mesma e seu grupo.

Kamii fala sobre alguns critérios para um bom jogo para ser útil no processo educacional:

  • Propor alguma coisa interessante e desafiadora para as crianças resolverem.
  • Permitir que as crianças possam se auto-avaliar quanto a seu desempenho.
  • Permitir que todos os jogadores possam participar ativamente, do começo ao fim do jogo.

Vemos no jogo a possibilidade de solidariedade, de participação grupal, cooperação, atuação individual, de percepção dos limites de si e do outro e, ao mesmo tempo, a importância de cada um para a realização do jogo.

Negociar o que já está estabelecido e alterar regras, é possibilidade de transformação.

Os aspectos afetivos são determinantes na construção da personalidade do indivíduo e se revelam de forma explícita no jogo.

Vigotsky

É justamente a imaginação em ação ou brinquedo, a primeira possibilidade de ação da criança numa esfera cognitiva que lhe permite ultrapassar a dimensão perspetiva motora do comportamento.

"Como todas as funções da consciência ela surge originalmente da ação. O velho adágio de que o brincar da criança é a imaginação em ação, deve ser invertido; podemos dizer que a imaginação nos adolescentes e nos adultos é o brinquedo sem ação".