Para imprimir este artigo sem cortes clique no ícone da impressora >>>
 

A SAÚDE DO TRABALHADOR

Geilsa Soraia Cavalcanti Valente e Priscila Oliveira Gomes

A saúde do trabalhador na percepção dos acadêmicos de enfermagem The health of the worker in the perception of the nursing academics

RESUMO
Objetivos: identificar o que os acadêmicos de enfermagem entendem por saúde do trabalhador; descrever a percepção dos acadêmicos quanto à importância do estudo da saúde do trabalhador durante a sua formação profissional; e analisar as contribuições do estudo sobre a saúde do trabalhador durante a graduação em enfermagem para a futura atuação profissional, sob a ótica do acadêmico de enfermagem. Métodos: Trata-se de um trabalho de abordagem qualitativa do tipo exploratória e descritiva, tendo sido realizado um questionário contendo perguntas fechadas, foram entrevistados quarenta acadêmicos de enfermagem. Resultados: Os dados resultantes da coleta foram analisados através da análise temática de conteúdo, a partir de três categorias que respondiam aos objetivos propostos por esse estudo, sendo elas: A percepção dos acadêmicos de enfermagem quanto à importância do estudo sobre a saúde do trabalhador; a percepção do acadêmico sobre o conhecimento da saúde do trabalhador durante a graduação; e as contribuições do estudo da saúde do trabalhador para a atuação profissional do enfermeiro. Conclusão:  É notório a necessidade da temática saúde do trabalhador no currículo das escolas de enfermagem, para que os acadêmicos sejam estimulados a pensar sobre a própria saúde desde o início da vida acadêmica, bem como sobre as suas responsabilidades profissionais, para que incorporem ações de segurança a saúde no cotidiano de seu trabalho e na orientação dos demais trabalhadores da Enfermagem.

Descritores: Saúde do Trabalhador, Ensino, Enfermagem.
ABSTRACT
Objectives: to identify what the nursing academics understand for health of the worker; to describe the perception of the academics how much to the importance of the study of the health of the worker during its professional formation; e to analyze the contributions of the study on the health of the worker during the graduation in nursing for the future professional performance, under the optics of the nursing academic. Methods: One is about a work of qualitative boarding of the exploratória type and descriptive, having been carried through a questionnaire I contend closed questions, had been interviewed forty academics of nursing. Results: The resultant data of the collection had been analyzed through the thematic analysis of content, from three categories that answered to the objectives considered for this study, being they: The perception of the academics of nursing how much to the importance of the study on the health of the worker; the perception of the academic on the knowledge of the health of the worker during the graduation; e the contributions of the study of the health of the worker for the professional performance of the nurse. Conclusion:  The necessity of the thematic health of the worker in the resume of the nursing schools is well-known, so that the academics are stimulated to think on the proper health since the beginning of the academic life, as well as on its professional responsibilities, so that they incorporate action of security guard the health in the daily one of its work and the orientation of the excessively diligent ones of the Nursing.

Descriptors: Worker’s health, Learning, Nursing.
INTRODUÇÃO
A inserção da enfermagem na área de saúde do trabalhador não distancia do cuidado integral que é comum a todas as áreas de ação da enfermagem, uma vez que este se constitui um dos objetivos principais dessa profissão, porém o peculiar desta ciência é a sua área de saber/conhecimento e a forma como os enfermeiros assimilam este saber a partir das interações no campo de atuação. Sob esta ótica, desenvolvemos este artigo, resultante do trabalho de conclusão de curso de Graduação, com a intenção de inserir uma disciplina relacionada com essa temática para os acadêmicos de graduação, visando uma maneira de mostrar a importância do papel do enfermeiro do trabalho, para que, ao terminarem a graduação, tenham uma noção básica sobre essa área, o que muito contribuirá para a sua atuação profissional.

A motivação para realizar este estudo emergiu durante a graduação em enfermagem ao perceber que a saúde do trabalhador engloba um contexto amplo no que tange à atuação do enfermeiro como um fator de proteção e prevenção aos problemas advindos da execução da prática de enfermagem, tanto para ele mesmo, quanto para a equipe que ele gerencia.
 
A pesquisa foi realizada na Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAAC), com alunos do 1° período, por estarem iniciando o curso de enfermagem e não terem noção do que realmente significa a saúde do trabalhador a não ser pelo que ouviram falar ou interesse próprio e o 9° período por estar terminando a graduação, e se durante a mesma esse obteve algum contato sobre essa temática ou até mesmo uma disciplina obrigatória e/ou optativa que levaram a pensar e refletir sob o papel do enfermeiro frente à saúde do trabalhador, através desse interesse buscamos deles informações a respeito do que pensam sobre o estudo da saúde do trabalhador na graduação em enfermagem.

A enfermagem enquanto prática social se ocupou de criar dispositivos que a aproximasse desta ciência, assim, a enfermagem do trabalho é um ramo da enfermagem de saúde pública e, como tal, utiliza métodos e técnicas, visando à promoção da saúde do trabalhador; proteção contra os riscos decorrentes de suas atividades laborais; proteção contra agentes químicos, físicos, biológicos e psicossociais; manutenção de sua saúde no mais alto grau de bem-estar físico e mental e recuperação de lesões, doenças ocupacionais ou não ocupacionais e sua reabilitação para o trabalho. 1

Neste contexto, a enfermagem do trabalho objetiva a promoção, a prevenção, assistência, vigilância, proteção aos agravos à saúde dos trabalhadores, e educação em saúde que busca torná-los conscientes dos riscos a que estão expostos. Assim, pode-se dizer que o enfermeiro do trabalho corresponde um elo entre os trabalhadores e os administradores, favorecendo uma diminuição de acidentes e riscos, promovendo o bem-estar e, consequentemente, a boa produtividade.

Com base no exposto, e refletindo sobre a importância de obter este conhecimento durante a formação, visto que o enfermeiro é o profissional que coordena a equipe de saúde, não só de enfermagem, no que tange a educação permanente destes indivíduos, nos deparamos com a realidade de não haver no currículo do curso ao qual estou vinculada, a disciplina de Saúde do Trabalhador, o que a meu ver, deixa uma importante lacuna no nosso conhecimento, e que certamente, fará falta na nossa atuação profissional.

OBJETIVOS
Identificar o que os acadêmicos de enfermagem entendem por saúde do trabalhador; Descrever a percepção dos acadêmicos quanto à importância do estudo da saúde do trabalhador durante a sua formação profissional; Analisar as contribuições do estudo da saúde do trabalhador durante a graduação em enfermagem para a futura atuação profissional, sob a ótica do acadêmico de enfermagem. 

MÉTODOS
Trata-se de em um estudo qualitativo, do tipo exploratório e descritivo, que visa analisar a percepção dos acadêmicos de enfermagem quanto às contribuições do estudo sobre a saúde do trabalhador durante a graduação em enfermagem. As pesquisas qualitativas são de caráter exploratório, ou seja, permite ao pesquisador aumentar sua experiência em torno de determinado problema. Assim, ela visa explorar tipicamente a primeira aproximação de um tema, criando maior familiaridade em relação a um fato ou a um fenômeno.2

Os sujeitos participantes deste estudo foram quarenta (40) acadêmicos de enfermagem da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense, localizado em Niterói, no estado do Rio de Janeiro, os quais aceitaram participar após a leitura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e assinatura.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense, sob o número de protocolo 215/08, atendendo ao preconizado pela Resolução 196/96 da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP). Como técnica da coleta foi aplicado um questionário contendo perguntas fechadas.

RESULTADOS
Quanto aos procedimentos de análise, os dados coletados na pesquisa de campo, foram analisados posteriormente a partir da análise temática de conteúdo.
A análise de conteúdo pode ser entendida como um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por procedimentos, sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores (quantitativos ou não) que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) destas mensagens. 3

DISCUSSÃO
Ficou demonstrado como a saúde do trabalhador é de extrema importância na grade curricular do curso de graduação de enfermagem, pois este dará ao acadêmico um conhecimento necessário para desenvolver ações voltadas à própria saúde e também poder produzir essas ações quando trabalhador e coordenador de ações de saúde.

Para uma melhor discussão, os dados foram agrupados em três categorias distintas, são elas: 1- A Percepção dos Acadêmicos de Enfermagem quanto a Importância do Estudo sobre a Saúde do Trabalhador, 2- A Percepção do Acadêmico sobre o Conhecimento da Saúde do Trabalhador durante a Graduação e 3 - As Contribuições do Estudo da Saúde do Trabalhador para a Atuação Profissional do Enfermeiro.

Como forma de manter o anonimato dos depoentes quando forem citados, os mesmo foram identificados com nomes de flores.
Categoria I: A percepção dos acadêmicos de enfermagem quanto à importância do estudo sobre a saúde do trabalhador
No Brasil, a saúde do trabalhador constitui uma área da Saúde Pública que tem como objetivo a promoção e a proteção da saúde do trabalhador por meio do desenvolvimento de ações de vigilância dos riscos presentes nos ambientes e condições de trabalho, dos agravos à saúde do trabalhador e a organização e prestação da assistência aos trabalhadores compreendendo procedimentos de diagnóstico, tratamento e reabilitação de forma integrada, no SUS.
Um dos depoentes sinalizou de forma mais específica quanto à importância do estudo sobre a saúde do trabalhador durante a graduação em enfermagem, à medida que refere que:
 
(...) devemos nos pautar em teorias que abrangem questões de saúde do trabalhador para que tenhamos condições de elaborar estratégias e executar ações de prevenção de riscos ocupacionais e de promoção da saúde do trabalhador (DÁLIA).

Acreditamos, portanto, que é através do ensino formal durante a graduação, através da inserção de uma disciplina específica que traga os conhecimentos específicos sobre a legislação da saúde e segurança no trabalho, que levará o futuro enfermeiro a concretizar os conhecimentos necessários para uma atuação eficaz no que tange à sua responsabilidade enquanto coordenador de equipes de saúde.
Podemos notar isto também nas falas seguintes envolvendo o papel do enfermeiro enquanto responsável pela preservação da saúde dos demais trabalhadores e da sua própria saúde enquanto trabalhador, visando à qualidade de vida, pautadas não só em seus próprios conhecimentos, mas também com base na Norma Regulamentadora nº 32 que foi criada para abranger o bem estar de todos os trabalhadores da área da saúde, e que os acadêmicos só tiveram conhecimentos sobre a mesma através de palestras, por não haver ainda na grade curricular do nosso curso, a disciplina de saúde do trabalhador.

(...) a NR 32 é algo que deveria ser sabido de fato pelos estudantes da saúde, pois é algo regularizado pelo Ministério da Saúde (AZALÉIA).

É importante, pois ela melhora a qualidade dos serviços, também nos informa dos riscos que estamos expostos e com isso podemos saber como nos proteger (ROSA).

Para se aprimorar o conhecimento e descobrir novas estratégias, além de afirmar a importância da saúde de quem cuida (AÇAFRÃO).

Sobre este aspecto da análise, Silva4 destaca a identificação de fatores produtores de riscos à saúde do trabalhador, obtida através de uma visão de totalidade, ou seja, de forma holística, favorece o desenvolvimento do planejamento e implementação da assistência de enfermagem, destinada à saúde dos trabalhadores, de forma mais globalizada, integralizada e contextualizada com a realidade.
Notamos, que a saúde do trabalhador esta voltada totalmente para a promoção, prevenção, reabilitação e os riscos que o ambiente de trabalho pode trazer para o trabalhador, com isso a importância de levar o conceito sobre a saúde do trabalhador para os acadêmicos de enfermagem, pois este irá adquirir conhecimentos cabíveis a essa área e depois com a especialização terá um aprimoramento desta e poderá no seu setor de trabalho levar técnicas apropriadas para o seu bem estar e também da sua equipe/instituição a qual será responsável, tendo em vista a assistência de enfermagem á concepção do indivíduo trabalhador de forma interativa, visando sempre o trabalhador de forma total, holística – integral.
Categoria II: A percepção do acadêmico sobre o conhecimento da saúde do trabalhador durante a graduação.
Para atender ao segundo objetivo do estudo, elaboramos a segunda categoria, de acordo com as respostas dos sujeitos pesquisados. Dentre os depoimentos, destacamos um que apresenta de forma abrangente a percepção deste depoente quanto ao conhecimento sobre a saúde do trabalhador durante a graduação em enfermagem:

Ampliando o conhecimento sobre a saúde do trabalhador, podemos atuar de forma mais eficaz na proteção e cuidado de cada trabalhador (TULIPA).

Percebemos através deste depoimento que o acadêmico tem plena consciência do seu papel enquanto agente de promoção da saúde dos trabalhadores da área em que atua, bem como sabe que é através do conhecimento específico que atuará de forma mais eficaz neste âmbito de atuação.

Todavia, podemos ressaltar de acordo co Medeiros et. al.5 que a saúde do trabalhador está inserida no âmbito da Saúde Pública, que atua com métodos e procedimentos próprios, na perspectiva de promoção, proteção e recuperação da saúde dos trabalhadores, implementando medidas de alcance coletivo, com intervenções em grupos e/ou individuais. Sua atuação abrange os campos inter/multidisciplinares, com interfaces simultâneas, potencializando e fortalecendo ações de responsabilidades, na busca da melhoria da saúde e qualidade de vida dos trabalhadores.

Outros relatam a saúde do trabalhador como condições adequadas/favoráveis que a instituição pode vir a oferece no seu ambiente de trabalho.

Condições de trabalho e benefícios que o empregador oferece aos seus empregados (ORQUÍDEA).

É a assistência dada ao trabalhador com o intuito de melhorar a qualidade de vida do cidadão no trabalho (AÇUCENA).

O estado que ele se encontra no trabalho, sua saúde, as condições do local de trabalho (PRÍMULA).

Depreende-se através dos depoimentos que há uma percepção de que a saúde do trabalhador também está interligada com a condição de trabalho que uma instituição pode proporcionar, pois ter um ambiente de trabalho saudável, com todas as questões de segurança, conforto ao empregador e seus empregados, dará como resultado uma melhor qualidade de vida e bem-estar, levando todos a ter uma relação de trabalho satisfatória.

Segundo Gonçalves 6, para se evitar o dano, garantindo a proteção à saúde dos trabalhadores, ações interdisciplinares devem identificar as condições de risco e sugerir as alternativas de mudanças nos processos de trabalho ou nas condições de trabalho, propondo programas preventivos voltados aos trabalhadores.
Também apareceram relatos sobre o conhecimento da saúde do trabalhador com aspectos voltados para as políticas públicas de saúde, conhecimentos estes adquiridos nas disciplinas específicas de saúde coletiva:
É uma área da saúde pública que trabalha tentando melhorar a qualidade dos serviços prestados pelos trabalhadores em geral. (ROSA).

Programa que preconiza a atuação do enfermeiro e profissional da saúde em empresas privadas ou públicas com atendimento voltado ao trabalhador (BELADONA).

É um campo de conhecimento da saúde coletiva que é responsável pelas questões pertinentes ao processo de saúde-doença dos trabalhadores/profissionais. (DÁLIA)

Área de estudo que se preocupa com a promoção, prevenção e manutenção da saúde dos trabalhadores, como foco em suas atividades e as patologias que dele pode advir (AZALÉIA).

É uma das áreas da saúde pública que se preocupa com a tríade saúde-doença-trabalho.  (CAMÉLIA).

Observamos através dos depoimentos que os conceitos adquiridos durante as disciplinas voltadas para a saúde coletiva, levam os depoentes a desenvolverem a sua própria percepção do que significa a saúde do trabalhador, porém de forma empírica e através de leituras individuais, portanto, consideramos premente a necessidade de ampliar estes conhecimentos de forma sistematizada através de uma disciplina específica, no sentido de preparar este futuro profissional para o cumprimento consciente de suas responsabilidades.
Uma das depoentes aponta para uma compreensão mais ampla:

Saúde do trabalhador é a análise e estudo dos riscos da profissão e prevenção destes (VIOLETA).

Conforme Resende7, a  saúde do trabalhador é uma área de conhecimento que busca compreender a relação existente entre o processo saúde – doença dos trabalhadores, com o objetivo de melhorar as condições de trabalho, as questões de saúde e a redução ou eliminação de doenças, através da promoção de saúde, proteção, recuperação e reabilitação destes trabalhadores, acompanhando, orientando e desenvolvendo ações de promoção de saúde e intervenções no local de trabalho, a fim de que o indivíduo possa ter um ambiente laboral adequado para o desenvolvimento de suas atividades.
Pudemos ainda observar nas falas a seguir, depoimentos que acrescentam a saúde do trabalhador como estratégia de prevenção, proteção, reabilitação e redução de acidentes de trabalho.
É o cuidado e a atenção voltada aos trabalhadores dos variados setores de trabalho (LILÁS).

(...) Essa área se ocupa das questões de riscos ocupacionais no que diz respeito à prevenção destes, entre outras questões desse público, em específico (DÁLIA).

Capacidade de trabalhar de forma digna com plenas condições de um trabalho seguro e de crescimento social. (CACTO).
 
Analisando estes depoimentos, percebemos claramente que, apesar dos depoentes terem alguma noção sobre o que vem a ser a saúde do trabalhador, não tem condições de melhor contextualizar sobre a temática, devido ao pouco conhecimento adquirido. 
Em suma, a saúde do trabalhador lida com a promoção e defesa da saúde no trabalho através de inúmeras ações destinadas a prevenção e a assistência dos trabalhadores, visando transformar as condições de trabalho. Assim, as ações de atenção a saúde do trabalhador incluem a promoção, a prevenção e a assistência dirigidas ao indivíduo trabalhador, que sofre, adoece, ou se acidenta e ao conjunto ou coletivo de trabalhadores, devendo ser realizadas de programas e executadas de forma integrada. 8
Portanto, para a obtenção de conhecimentos específicos à atuação do enfermeiro na saúde do trabalhador, não pode ficar restrita à procura individual posterior a graduação, visto que, nem todos os enfermeiros buscam a especialização nesta área, porém, todos irão coordenar equipes diversas de trabalho e necessitarão destes conhecimentos para agir de forma eficiente na orientação dos trabalhadores quanto à prevenção e promoção da saúde.
Categoria III: As contribuições do estudo da saúde do trabalhador para a atuação profissional do enfermeiro
Para responder ao terceiro objetivo deste estudo, foi estabelecida a terceira categoria, no intuito de evidenciar as contribuições do conhecimento específico sobre a saúde do trabalhador através da inserção da disciplina específica na grade curricular do curso de graduação em enfermagem.
Quanto questionados sobre o que pensam os depoentes sobre as referidas contribuições à medida que uma disciplina específica for inserida na grade curricular, obtivemos as seguintes respostas:

Pois estarei aprendendo sobre o meu campo de trabalho e os riscos que há nele, me proporcionando uma melhor forma de proteção para a minha saúde, contribuindo também para uma melhor qualidade de vida (FLOR DO CAMPO).

Entender o universo que permeia a saúde do trabalhador; poder estar atento a saúde da minha equipe, conhecer e evitar os acidentes no meu trabalho; promover uma educação continuada no meu serviço no que diz respeito à doença ocupacional e acidentes de trabalho e acima de tudo diagnosticar precocemente os riscos e as doenças ocupacionais como enfermeira (CAMÉLIA).

É mais uma área que me possibilita prestar o cuidado em diferentes grupos de pessoas, e me abre mais o leque no mercado de trabalho. Mas o mais importante é estar apta para exercer o cuidado também com este grupo (AZALÉIA).

Neste prisma da análise, percebemos que os depoentes têm a noção de que o papel do enfermeiro é de suma importância não só no ambiente hospitalar onde lida com clientes adoecidos, mas também em empresas públicas e privadas que apresenta clientes (trabalhadores) saudáveis que estão expostos a qualquer dano a saúde. Por isso, podemos dizer que a assistência de enfermagem na saúde do trabalhador é aquela prestada ao indivíduo ou coletivo dos processos de bens e serviços das organizações, caracterizada por atos e operações predominantemente preventiva, no sentido de evitar danos a saúde dos trabalhadores.
Observamos que uma das depoentes sinaliza para a atuação do enfermeiro no cuidado ao cliente/paciente trabalhador:

A saúde do trabalhador é um novo campo de atuação para o enfermeiro. E o estudo dessa temática contribuirá para o cuidado ao paciente trabalhador (COPO-DE-LEITE).

Tal depoimento nos faz mais uma vez inferir sobre a importância de um conhecimento mais apropriado sobre este contexto, durante a formação acadêmica, visto que, neste âmbito de atuação, o próprio enfermeiro e a equipe de saúde também são privilegiados no que tange à sua própria saúde enquanto cuidadores, para terem condições de cuidar também dos outros.
Todavia, cabe destacar que a situação real no cotidiano da assistência de enfermagem, no âmbito da saúde do trabalhador, e em relação à assistência à saúde das pessoas que trabalham não se distancia muito da assistência de enfermagem num plano mais geral, pelo fato de que o saber da enfermagem dá certa sustentabilidade ou apoio às concepções acerca das situações de saúde das pessoas e dos grupos humanos; no caso de nosso interesse particular, o grupo dos trabalhadores. Pode-se verificar que a assistência de enfermagem alia-se à saúde do trabalhador, não apenas com a visão do cuidado do homem que trabalha entendido como o homem que tem uma ocupação, mas no cuidado do homem na sua relação com o seu trabalho em diversos aspectos. 4
Podemos relatar que a enfermagem vem a cada dia ganhando seu espaço e a contribuição da saúde do trabalhador na vida acadêmica de enfermagem é de suma importância, pois dará ao futuro enfermeiro, meios para buscar um conhecimento amplo da sua profissão e também uma visão abrangente da área da saúde do trabalhador, conforme encontramos nos depoimentos a seguir:

O estudo dessa área favorecerá maiores informações no que diz respeito ao processo de trabalho como um todo; Dará um suporte teórico que favoreça a prática e um manejo clínico melhor no que diz respeito ao lidar com os trabalhadores (de diversos seguimentos) e suas implicações de saúde e doença (DÁLIA).

Estudar a saúde do trabalhador é importante porque permite um melhor entendimento acerca do tema, que é pouco estudado, e possibilita diminuir os riscos de acidentes nos ambientes de trabalho, melhorando as condições de trabalho desses trabalhadores e diminuindo as ausências (DENTE DE LEÃO).

Não só para obter conhecimentos a fim de realizar mudanças favoráveis no ambiente de trabalho em que estarei inserida, proporcionando condições dignas de trabalho e assim otimizando seu resultado, mas também ter um olhar abrangente aos pacientes, compreendendo que eles também estão inseridos em diferentes ambientes laborais que trazem conseqüências a sua saúde (LÍRIO).

Nesse entendimento, a inserção da enfermagem na área da saúde do trabalhador não distancia o cuidado integral que é comum a todas as áreas de ação da enfermagem, pois para este, em geral, o trabalhador como cliente, é um ser humano que necessita de cuidados de enfermagem. Contudo ações e atividades, planejadas ou não pelo enfermeiro do trabalho, devem emanar as características e necessidades manifestadas, a priori, pelo trabalhador, o que o torna ativo neste processo.
Neste sentido, Bulhões9 alerta que: "é conveniente que o trabalhador aprenda, além de se cuidar, a cuidar de seus colegas, a prevenir doenças e acidentes que poderão atingir a comunidade e contaminar o meio ambiente".
Assim, o trabalhador, enquanto cliente do enfermeiro do trabalho é visto como um elemento essencial no planejamento da assistência de enfermagem a ser prestada, visto que o enfermeiro também ensina o trabalhador a cuidar de si mesmo, dentro e fora da organização, logo, a ação de cuidar implica em estar junto ao trabalhador, constatando que o cuidado de enfermagem abrange uma interação.
Dessa forma, Polit & Hungler10, afirmam que a capacidade que o indivíduo tem para cuidar de si mesmo é chamada de intervenção de autocuidado, e a capacidade de cuidar dos outros é chamada de intervenção de cuidados dependentes. Sendo assim, no modelo de Dorothea Orem, a meta é ajudar as pessoas a satisfazerem suas próprias exigências terapêuticas de autocuidado.
Acreditamos que através da inserção de uma disciplina específica sobre os amplos aspectos da saúde do trabalhador no curso de graduação em enfermagem, trará benefícios, não somente para o cuidado do outro, mas principalmente para a percepção do cuidado de si.

Em suma, o autocuidado é a prática de atividades que o indivíduo inicia e executa em seu próprio benefício, na manutenção da vida, da saúde e do bem estar. Neste processo, o cuidado é integrante da interação do enfermeiro com o trabalhador decorrente de um processo que ambos necessitam de interpretação sobre a ação de cuidar no sentido de torna-se um campo de aprendizado mútuo.

CONCLUSÃO:

Após a análise dos dados encontrados neste estudo, percebemos que a temática sobre a saúde do trabalhador precisa ser amplamente discutida nos ambientes de trabalho e amplamente refletida nos espaços de formação profissional, de forma a contribuir pela promoção da saúde no trabalho, bem como favorecer as relações que se processam entre o trabalhador e seu trabalho, resultando num ambiente harmonioso e revestido de proteção.

REFERÊNCIAS
1. Silva SL da. Interações do enfermeiro do trabalho com a saúde do trabalhador em âmbito de prática e assistência de enfermagem. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery, Rio de Janeiro, Tese (Doutorado), 130 f, 2005.
2. Leopardi MT. Metodologia da pesquisa na saúde. 2 ed. Florianópolis: UFSC/Pós-Graduação em Enfermagem, 294 p, 2002.
3. Bardin L. História e teoria. In: Análise de Conteúdo (L. Bardin), 1997, pp. 11-46, Lisboa: Edições 70.
4. Silva SL da. O estilo de vida de trabalhadores administrativos em empresa de petróleo. Promoção da saúde no trabalho: contribuição do enfermeiro do trabalho. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.
5. Medeiros SM de et. al. Condições de Trabalho, Riscos Ocupacionais e Trabalho Precarizado: o olhar dos trabalhadores de enfermagem.Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Pesquisa Integrante do Plano Diretor 2004/2005. ROREHS/MS/OPAS. Natal, 2005. Endereço na internet:
http://www.observatorio.nesc.ufrn.br/
6. Gonçalves CG de O. Programa preventivo voltado ao trabalhador exposto a ruído. In: Jornada de Fonoaudiologia da Universidade Metodista de Piracicaba, IV. Anais... Piracicaba: Ed. Unimep, p.22-24, 1999.
7. Resende MP. O impacto do trabalho precoce na adolescência: um estudo de enfermagem. 2008, 113 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, São Paulo, 2008.
8. Domingos L, Pianta, F. Saúde e Trabalho: conceitos gerais. [2002]. Endereço na internet:
http://www.old.itcilo.org/actrav/english/calendar/2002/A1_2744/recurosos/01_Conceitos.pps
9. Bulhões I. Enfermagem do trabalho. Rio de Janeiro: Ideas, 1986.
10. Polit DF, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 3. ed., Cap. 8, p. 163-198: Métodos de coleta de dados, 1995.

Publicado em 20/07/2010


Geilsa Soraia Cavalcanti Valente e Priscila Oliveira Gomes - Geilsa Soraia Cavalcanti Valente: Doutora em Enfermagem pela EEAN/UFRJ; Professora Adjunta do Departamento de Fundamentos de Enfermagem e Administração da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa – Universidade Federal Fluminense - MFE/UFF. Membro e pesquisadora do NECIGEN – Núcleo de Estudos em Cidadania e Gerência em Enfermagem. 
Priscila Oliveira Gomes: Graduada em Enfermagem pelo Curso de Graduação em Enfermagem e Licenciatura da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. E-mail: priuff@hotmail.com.

Dê sua opinião:

Clique aqui: Normas para Publicação de Artigos