Para imprimir este artigo sem cortes clique no ícone da impressora >>>
 
 

CONCEPÇÃO DE EDUCANDOS COM ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO E SUAS VERDADEIRAS NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

Angela Cristina Munhoz Maluf

No artigo 5º, inciso III, da Resolução CNE/CEB Nº 2 de 2001, que estabelece as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (Brasil, 2001), tem como acepção de educandos com altas habilidades/superdotação aqueles que apresentam grande facilidade de aprendizagem, levando-os a dominar rapidamente conceitos, procedimentos e atitudes.  Já os Parâmetro Curriculares Nacionais, em sua série de Adaptações Curriculares, Saberes e Práticas da Inclusão (Brasil, 2004), publicada pela Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação, atribui os seguintes traços como comuns aos superdotados:

  • Alto grau de curiosidade;
  • Boa memória;
  • Atenção concentrada;
  • Persistência;
  • Independência e autonomia;
  • Interesse por áreas e tópicos diversos;
  • Facilidade de aprendizagem;
  • Criatividade e imaginação:
  • Iniciativa;
  • Liderança;
  • Vocabulário avançado para sua idade cronológica;
  • Riqueza de expressão verbal (elaboração e fluência de idéias);
  • Habilidade para considerar pontos de vistas de outras pessoas;
  • Facilidade para interagir com crianças mais velhas ou com adultos;
  • Habilidade para perceber discrepâncias entre idéias e pontos de vistas;
  • Interesse por livros e outras fontes de conhecimento;
  • Alto nível de energia;
  • Preferência por situações/objetos novos;
  • Senso de humor;
  • Originalidade para resolver problemas.

Apesar de não haver uma definição unânime de altas habilidades/superdotação, podemos adotar o modelo dos três anéis, parecer do psicólogo Joseph Renzulli, do Research Institute for Gifted Education, da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, um dos maiores especialistas no mundo nesta área. O autor aponta a função decisiva da instituição em estimular o desenvolvimento da capacidade criativa em todos os seus educandos, pois segundo o modelo dos três anéis os indivíduos com altas habilidades/superdotação são os que apresentam habilidades acima da média, em relação aos seus pares, em uma ou mais áreas de inteligência e também apresentam elevado nível de envolvimento com a tarefa e criatividade. Essas três peculiaridades apontam que na interação dinâmica entre os três traços é que se localizam os elementos primordiais para a ampliação da prática criativo-produtiva psicomotora.
Considerando as políticas educacionais inclusivas, o educando que apresenta altas habilidades/superdotação tem sido auxiliado por contribuições fundamentalmente legais que garante uma educação de qualidade e que permite o atendimento de suas necessidades educacionais especiais.  As escolas da rede regular de ensino devem prever e prover na organização de suas classes comuns, de serviços de apoio pedagógico especializado em salas de recursos.
Para que a inclusão de alunos com altas habilidades/superdotação se torne realidade é necessário que os sistemas de ensino determinem preceitos de gestão notória e que todos os profissionais de educação, compartilhem da elaboração do projeto pedagógico da escola. É imprescindível presumir todas as alterações que os sistemas de ensino, as escolas e sociedade devem gerar para que educandos com necessidades educativas especiais sejam, impreterivelmente, incluídos na escola.
Hoje, a atual LDB presumi ações pedagógicas a educandos que evidenciam elevada capacidade de desempenho escolar.
No Art. 59, da LDB, foram previstos currículos, métodos, recursos educativos e organizações específicas.
1-aceleração para concluir em menor tempo o programa escolar;
2-professores especializados;
3-educação especial para o trabalho;
4-acesso igualitário aos programas sociais.
 
Os procedimentos mais adequados ao atendimento aos educandos com AH/S, implicam em inovações, desafios e especialmente que atendam à curiosidade do educando, a sua necessidade de descobrir e de progredir no seu próprio conhecimento. Contudo, são proporcionadas, ao educando com altas habilidades/superdotação poucas oportunidades de desenvolvimento de suas habilidades. Neste enfoque, muitos estudiosos como: (Renzulli, 1986; Tomlinson, 1995; Guenther, 2000; Alencar & Fleith, 2001; Maia-Pinto & Fleith, 2002), têm chamado a atenção para a importância de se reconhecer e estimular, em sala de aula, o potencial de alunos superdotados e talentosos.
Os educadores precisam estimular a construção do conhecimento dos educandos, por meio de aprendizado voltado para a ampliação de conceito, que valoriza a responsabilidade, o espírito de equipe, a ética, o respeito, a cidadania e práticas educativas que desenvolvam a curiosidade, a capacidade criadora, a socialização, o raciocínio lógico do educando entre outras.
Profissionais comprometidos e estimulados compreenderão o processo de aprendizagem, proporcionarão aos educandos um maior desenvolvimento de suas potencialidades, conseqüentemente, os educandos terão maiores chances de realização pessoal e profissional.

Referências
Alencar, E. M. L. S. & Fleith, D. S. (2001). Superdotados: determinantes, educação e ajustamento. São Paulo: E.P.U.
Fleith, D. S. (1999). Psicologia e educação do superdotado: definição, sistema de identificação e modelo de estimulação. Cadernos de Psicologia, 5, 37-50.
Freeman, J. & Guenther, Z. C. (2000). Educando os mais capazes. São Paulo: EPU.
Guenther, Z.C. (2000). Desenvolver capacidades e talentos: um conceito de inclusão. Petrópolis: Vozes.
Maia-Pinto, R. R. & Fleith, D. S. (2002). Percepção de professores sobre alunos superdotados. Estudos de Psicologia, 19, 78-90.
Ministério da Educação (1995). Diretrizes gerais para o atendimento educacional aos alunos portadores de altas habilidades/superdotação e talentos. Brasília: Secretaria de Educação Especial.
__________________ (2001). Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica - Resolução nº 02 de 11 de setembro de 2001.
Monte F.R.F. & Santos, B. I ( 2004). Saberes e Práticas da Inclusão: deficiência de comunicação e sinalização- deficiência física- Brasília - Secretaria de Educação Especial.
 Renzulli, J. S. & Reis, S. M. (1996). The schoolwide enrichment model: A how-to guide for educational excellence Mansfield Center, CT: Creative Learning Press.
Tomlinson, C. A. (1995). Differenciating instruction for advanced learners in the mixed-ability middle school classroom. ERIC EC Digest # E536.

Publicado em 07/10/2008


Angela Cristina Munhoz Maluf - Ms. em Ciências da Educação,docente de graduação e pós-graduação,psicopedagoga, especialista em Educação Infantil e Especial, escritora, palestrante e consultora de projetos.

Dê sua opinião:

Clique aqui: Normas para Publicação de Artigos

Do mesmo autor(a):

artigos

.A importância de pais e educadores
.Jovens depressivos
.Transtorno da aritmética ou matemática
.O saber educar
.Atendimento Psicopedagógico no Ensino Superior buscando condições para aprendizagem significativa
.A importância das atividades lúdicas na educação infantil
.Atividades lúdicas como estratégias de ensino e aprendizagem
.Tipos de brincadeiras e como ajudar a criança brincar
.Brincar na escola

opinião

.Antes de ser aluno é uma criança aprendiz
.Crianças especiais também podem brincar com brinquedos convencionais
.Brinquedoteca: um espaço estruturado para brincar
.O sucesso da criança na escola
.Comparações: um erro que pais e parentes cometem em relação às crianças
.Dias felizes, com pais de amor clarividente.
.“O Desertismo Escolar”
.O período de assimilação mais intensivo no processo de aprendizado.
.Crianças ou jovens com problemas de aprendizagem, representam uma ruptura para os pais.
.A essência do brinquedo
.A importância das brincadeiras na evolução dos processos de desenvolvimento humano.
.“Planejamento viável, para evitar problemas de aprendizagem em sala de aula.”